quarta-feira, setembro 17, 2008

Seis anos

Dia 31 de agosto fez 6 anos que pisei na Paraíba pela primeira vez.
Cheguei em João Pessoa 12:20 horas. Desci do avião sentindo um calor enorme por causa do ar quente que não combinava com os tênis jeans de cano médio, nem com a blusa de malha que estava usando.
Liguei para minha avó. Tínhamos nos estranhado antes de minha viagem, porque ela não queria que eu viesse de jeito nenhum e ela chegou a me falar que eu deveria ligar só quando estivesse aqui, quando pisasse na Paraíba porque enquanto isso não acontecesse, ela não acreditaria.
Ela me pareceu emocionada. Acabou "concedendo sua bênção", meio que forçada; não tinha mais o que fazer.
Lembro de ter olhado ao meu redor, lembro do meu coração ter disparado.
Quanta coisa mudou! Precisaria de mais que um post para documentar uma vida de seis anos.
No fim das contas, hoje acho que foi a coisa mais acertada da minha vida ter vindo para cá, ainda que a família tenha resistido um bocado.
Acho também que trocar certos sonhos por este sonho aqui, custou e custa muito, às vezes tem um peso enorme, mas também confere uma satisfação que nenhuma outra coisa que eu fizesse poderia me trazer.
O resto sempre dá tempo para fazer depois e se não der, tudo bem.
Acredito que esses anos serviram para eu crescer como ser humano, como cristã, como mulher.
Vim com 20 anos, cabelos curtíssimos, recém pintados de castanho escuro para disfarçar o dourado que usava naquele mês; trouxe na bagagem tudo que achava que seria suficiente para seis meses (absorvente, shampoo, creme para o corpo), tinha um namoro meio indefinido e do qual ninguém sabia...
Agora estou com 26 anos. Cabelos naturais e compridos. A bagagem provisória deu lugar a uma casa, gata e cachorra. O namoro indefinido deu lugar ao casamento.
Não mudou o mesmo coração disparado quando chego no aeroporto de João Pessoa, seja voltando da Europa ou de São Paulo.
Não mudou achar a entrada da cidade linda toda vez que passo por ela e pensar "ainda bem que não era Mamanguape".
Não mudou a correria, talvez tenha até aumentado.
E não mudou a satisfação cada vez que deito, mesmo morta de cansaço, sabendo que mais um dia, fiz o que gosto de fazer, o que sei que fui chamada a fazer.

2 comentários:

  1. Sabe o q mais não mudou? A falta q vc faz por aqui, a saudade q eu sinto toda q vez q passo em frente a casa dos seus avós...eita...isso acho q pode passar uns 600 anos e não vai mudar.
    O quanto te amo felizmente muda, pq essas coisas só aumentam... Te amo mto.
    Tbm não queria q vc fosse, mas só Deus pode escolher essas coisas, e no fim ele ajeita tudo, faz com que a gente aprenda a lidar com as situações mesmo faltando o apoio esperado e o ombro e essas coisas. Por esse lado é bom, pois é bom aprender a crescer e se virar, mas vc faz falta.

    te amo

    bjão

    ResponderExcluir
  2. 6 anos.. ja?
    foi ontem isso, credo
    e MUITA coisa mudou.. mas esse primeiro ano permanece em mim ainda
    otimo fazer o que a gente nasceu pra fazer (:
    eu ainda nao tive tempo de descobrir pra que eu nasci, mas eu tenho os meus momentos tambem, e nao ha nada melhor (:
    saudades.. Deus te abencoe ^^

    ResponderExcluir