segunda-feira, dezembro 24, 2007

Feliz Natal!!


Ok. Já postei agora mesmo, mas não lembrei que era Natal. Não que seja irrelevante, mas tenho uma visão ampla sobre essa data. É para mim algo muito especial pensar no nascimento do meu Salvador, mas tenho consciência também de que a data não foi bem essa... nem em mês, nem em anos, como contamos no calendário etc etc. Mas acho que isso tb é besteira. Porque a data errada não muda a importância do fato, mas o fato importante não se prende a uma data. Durante os últimos dias, ou melhor, as últimas noites, um grupo aqui da igreja saiu cantando pelas casas das pessoas na cidade. Ontem no culto só foram cantados hinos de natal. Hoje à noite teremos um jantar com a igreja. A data acaba virado apenas uma troca de formalidades entre as pessoas, e até as instituições que deveriam prezar pelo "verdadeiro sentido do Natal" acabam entrando na onda da "mesmice ritualísitca". Abaixo segue a letra de um hino antigo e bem simples, quase infantil, do que interessa de verdade não só nessa data, mas sempre:

241- Nascimento de Jesus


Mal supõe aquela gente

Que em Belém quer ir parar

Que uma liz tão refuilgente

Vai ali brilhar

É por anjos anunciado

E os pastores logo vêem

Que o Senhor por Deus mandado

Nasce em Belém



Vinde ouvir a doce história

Que nos altos céus nos vem

O Messias, rei da Glória

Nasce em Belém


Mundo triste, vem desperta

Teus grilhões desfeitos são

Tens a porta franca aberta

Sai da vil prisão

Não hesites duvidoso

Esse dom do céu provém;

Cristo, o Todo-Poderoso

Nasce em Belém


Proclamai a todo mundo

Toda raça, toda cor:

Cristo em seu amor profundo,

Salva o pecador!

Confiança Nele tende

Não desprezará ninguém

Vinde, os braços vos estende

Nasce em Belém


Piriri

Quanta coisa nessas duas últimas semanas!
Nessa última que acabou anteontem, nem se fala!
Corri demais, acabei ficando doente. Domingo passado recebi um golpe no estômago com uma notícia ruim prá caramba e passei mal antes do culto. Tive um piriri daqueles. Consegui ficar no culto, ainda que minhas entranhas tenham se movimentado além da conta umas duas ou três vezes.
Aí seguiu a semana com mais problemas para resolver, o caso do domingo martelando nossa cabeça aqui em casa, nós sem saber o que pensar e como ajudar as pessoas afetadas por ele...
Ontem, cera de uma hora ou mais antes do culto, comecei a sentrir cólicas intestinais muito fortes. Sabe aquela que até arrepia? Aff... foi essa...
Morei no banheiro por uma hora. Mas achei que tivesse passado, tomei banho e fui para o culto. Depois de 5 minutos me contraindo no púlpito, voltei para o banheiro de casa. Não teve jeito. Senti que estava desidratando e não só isso, mas minhas mãos começaram a ficar pálidas, eu passei a suar frio. Tive vontade de chamar meu marido, quem sabe me levar para tomar um soro no hospital, mas acabei desistindo.
Lá prás tantas, quase 9 da noite, já quase 3 horas agoniando, a dor passou e o intestino resolveu parar um pouco.
Ainda bem! Não aguentava mais!
Fui tomar uma sopa para dormir, mas tive nojo quando olhei no prato. Fiz um mingau de chocolate - daqueles de maizena - e foi o que bastou.
Fim de ano puxado.
Até para meu intestino, coitado.

sexta-feira, dezembro 07, 2007

07 de dezembro de 2007.

O ano logo chegará ao fim.

Quando era pequena ouvia as pessoas "maiores" comentando como faltava tempo para isso e aquilo, como a vida estava passando rapidamente e sinceramente, achava tudo tão distante da minha realidade... Meu tempo passava devagar. Quando mesmo eu teria 12 anos? E que falar dos 15?
Nem chegava a sonhar com os 18 porque sabia que seria uma eternidade até que eles viessem.

Mas percebi com o passar desse mesmo tempo, que ele tem várias faces e que se revela de maneira diferente a cada idade, conforme aquilo que cada uma pode entender, perceber.


Hoje eu mesma tenho a impressão de que tudo passa com muita velocidade, que os dias escoem pelas mãos como grãos de areia, aquela sensação que tinha quando era criança e brincava na praia, deixando a areia escapar entre os dedos se repete com o tempo e minha vida.

Mas não me queixo. Apenas observo.

E acho tudo muito bonito. Bonito ver que o tempo corre para mim e é tão letárgico para meus alunos de 5 anos na EBD, que nem entendem quanto tempo falta até o Natal.

Mas deixando tudo isso de lado, como disse Cecília Meireles, "o essencial é viver".

terça-feira, dezembro 04, 2007

Linux, eu consegui!!

Um tempinho atrás, ao trocar de pc, resolvi tentar usar Linux pela segunda vez. Da primeira vez a distribuição infeliz não colaborou, uns 4 anos atrás, mas desta vez, com o Ubuntu, que todo mundo conhecia, fiquei com vontade de ter mais paciência para tentar.
No dia a dia, par editar texts, acessar a internet, trabalhar fotos etc até que ia tudo bem. Se precisava de um programa, era só procurar por ele num chat, site e depois baixar rapidamente, sem nenhum custo. Isso foi me animando.
Que falar das atualizações? Tudo rápido e fácil, muito diferente do que um usuário comum como eu, catequizado pelo Windows poderia imaginar.
Passei a ter problemas quando precisava de algum documento no laptop do meu marido e tinha que usar pen drive porque naõ sabia configurar uma rede.
Aí perguntei a um primo meu se seria possível essa rede entre os dois sistemas operacionais. Ele disse que sim, mas que eu precisaria de um "samba".
fala sério! Depois falou que talvez precisasse de "cups" para a impressora funcionar em rede... Tava me xingando e queria disfarçar...
Mas eu tentei achar esses troços.
Foi tudo caminhando bem, consegui compartilhar arquivos, mas nada de Internet. Tentei tudo o que li nos sites informativos, mas nada funcionava e sem capacidade suficiente para fazer um programa funcionar corretamente. Sabia que a culpa não era do Linux. Era minha, toda minha.
Ontem à tarde criei coragem e entrei num chat.
Alguém amistosamente se ofereceu a me ajudar e hoje pela manhã testei as configurações.
Ansiosa reiniciei tudo e nem sei descrever a emoção ao perceber que no Rwindows o Iexplorer abriu e as cores do site começaram a aparecer...
Obrigada aos colaboradores que me fizeram chegar até aqui!

Para mostrar minha gratidão, segue abaixo um poema que encontrei no site http://marcellino.wordpress.com/


Há dez anos você entrou na minha vida
E curou aquela minha ferida

Meu outro amor não era real
Vivia fingindo passar mal

Eu acordava todo animado
E ele ficava lá travado

Eu queria passear, navegar
Mas o único azul que ele me mostrava não era o mar

Já você amor, que parecia todo sombrio
Em pouco tempo me fez até ter arrepio

No início nossa relação foi complicada
Você ficava mudo, não falava nada

Hoje sei que eu estava enganado
Você só estava desconfigurado

Você me fez ver que eu poderia ser mais feliz
E como forma de gratidão eu também te refiz

Quero que saiba meu amor, que você é tudo pra mim
Se eu fosse uma geladeira, você seria o meu pinguim

Mas como sou apenas um computador digo até o final
Você sempre será o meu único sistema operacional

sábado, dezembro 01, 2007